glu

maio 2012

TIFFANY HARP BLUES BAND


  • Representando as mulheres do Blues no Brasil, com sua gaita nervosa ao estilo Little Walter destilando todo seu feeling no Buteco mais charmoso da cidade! Hoje, às 22h.
R. Mal. Floriano Peixoto, 89 - Salas 5 e 689010-500 Blumenau, Brazil


Uma ótima pedida para essa quinta-feira é curtir o show da Alex Dupas Blues Project no Syndikat.

Espero todos vocês lá.

Abaixo seguem os detalhes.
Alex Dupas Blues Project - Show empolgante, com muito swing
Nessa quinta (31/05) as 21:30
Syndikat - Rua Moacir Piza, 64 - Jardins - (pertinho da Av. Paulista - travessa da Al. Itú, Paralela entre R. Bela Cintra e R. Haddock Lobo)
www.syndikat.com.br

Couvert: R$15,00


www.youtube.com/alexdupas
www.myspace.com/alexdupas
www.facebook.com/alexdupasblues



  • Nesta quinta estaremos dando expediente a partir das 22:00
    no Whiskritório!

    A pauta do expediente será clássicos do blues e do rock:

    Jimi Hendrix, Stevie Ray Vaughan, Creedence, Muddy Waters, Robert Cray, B.B King, Lynyrd Skynyrd, The Doors, Albert King, Ray Charles, Eric Clapton, Raul Seixas e outros.

    Muito serviço p fazer...talvez tenha que fazer hora extra! kkkk!

    Compareçam e marquem seus cartões de ponto!

    Todos convidados!!!

    Confirme sua presença AQUI
Rua Enico Monteiro, n. 1851, Capim Macio59082-170 Natal, Brazil

Educadora Blues
O novo dvd do guitarrista Joe Bonamassa e ainda cantora e guitarrista Bonnie Raitt, um dos maiores expoentes da “slide guitar”.


ARI BORGER - Part. Esp. Celso Salim. Amanhã, às 19H


O Centro Cultural Ibeu apresenta no dia 31 de maio (quinta-feira), às 19h, o show de Ari Borger, o principal e pioneiro pianista de Blues em nosso país.

Neste espetáculo, Ari Borger convida o guitarrista e compositor Celso Salim para juntos apresentarem as mais variadas vertentes e estilos do piano blues, como o Boogie Woogie, Chicago Blues, New Orleans, Jazz-Blues, Country-Blues, Rockabilly, Funk-Blues, entre outros.

Em 2012, Ari Borger celébra vinte anos de carreira registrando seu quarto disco, BACK TO THE BLUES, gravado ao vivo e analógico, de maneira  “Old School”.O lançamento está previsto para Junho/2012, pela gravadora ST2 Music, e uma prévia deste cd poderá ser conferida em sua apresentação no Centro Cultural Ibeu.

O evento é gratuito e terá início às 19h. Haverá distribuição de senhas na portaria do prédio do Ibeu 1h antes do show.




Ficha técnica:
Ari Borger - Piano
Celso Salim - Guitarra


Endereço:
Avenida Nossa Senhora de Copacabana, 690 - 11º andar Auditório
Copacabana, Rio de Janeiro
Informações:


Centro Cultural Ibeu
Av. N. Sra. Copacabana, 690 11º andar
22050-001 Copacabana - Rio de Janeiro




O destaque de hoje vai para a banda Distintivo Blue. Uma banda de blues que traz uma roupagem diferente para o estilo. O banda é do estado da Bahia, e além de muito amor a música faz um trabalho que vale a pena ser conferido.

Clique aqui e confira esse EP que esta disponível na ONErpm. 



Fonte: OneRPM Brasil - 29/05/2012
-->


Em junho, a Sexta Básica só será realizada uma vez e contará com a presença das bandas El Dorado e Bruno Lima e a Dentadura. 
Contamos com a sua presença!
Ingressos:
5$ (primeiro lote de 100 ingressos)
10$ (segundo lote de 200 ingressos)

Local: Viela Sebo-Café. Av. Siqueira Campos, 350, Recreio





O maior e mais antigo bluesman britânico, o Sr. John Mayall, teve um álbum lançado recentemente. “Big Man Blues” se trata, na realidade, de uma reedição do disco “Road Show Blues”, originalmente lançado em 1981 pela DJM Records, no Reino Unido.
Esse disco foi gravado em Los Angeles, em meados de 1980, quando em sua banda integravam os músicos James Quill Smith (guitarrista/vocalista), Kevin McCormick (baixista), Soko Richardson (baterista) e Maggie Parker (vocalista).
Essa formação fez centenas de shows no ano anterior à gravação e estava redonda nas sessões para “Road Show”. A sonoridade vintage continua em “Big Man Blues”, com os ótimos duetos vocais de Mayall e Maggie na faixa “Road Show”. Sem contar a gaita extraordinária que Mayall tocou nessas faixas.
Depois deste álbum, que traz as duas ótimas canções ao vivo “Baby, What You Want Me to Do" e "Mexico City", o multi-intrumentista e gênio John Mayall demorou cinco anos para lançar material novo. Esta época é pós Bluesbreakers, onde passaram Eric Clapton, Jeff Beck, Mick Taylor, Mick Fleetwood, entre outros grandes músicos.
Mas ainda assim é um disco que vale a pena ter, especialmente os que desejam conhecer melhor essa fase de Mayall, ou simplesmente apreciam um ótimo e velho blues.

Setlist:
01. Why Worry
02. Road Show
03. Mama Talk to Your Daughter
04. A Big Man
05. Lost and Gone
06. John Lee Boogie
07. Reaching for a Mountain
08. Baby, What You Want Me to Do (Live)
09. Mexico City (Live)



Avaliação:
Selo: Blues Boulevard
Ano de lançamento: 2012







Johnny Blues live

Video emitido el 19 de Abril de 2008 en Gigantes con Vivi. muy bien por Sergio Lagos que lo llevó. Si tuviera un pub, fijo dejo a Jhonny un día a la semana mínimo.

notable el loco que del público que grita: "sácate uno!"

mi gato me regaló una anfeta,
mi gato a mi me la regaló
mi gato a mi me aprecia mucho,
una tira me regaló
se metió al antinarcótico, 
y aun comisario lo cagó

Mi gata vieja está llorando,
porque una bolsa se le perdió,
con la rabia y la impotencia, 
aaah, bella mi gata se suicidó


Joe Bonamassa canta e toca em uma das mais de 500 guitarras de sua 'modesta' coleção particular
Joe Bonamassa canta e toca em uma das mais de 500 guitarras de sua 'modesta' coleção particular
Há uma década ele vem lançando um disco por ano e recolocando o blues rock em pauta no mercado. Como compositor e, principalmente, como intérprete, tem resgatado e apresentado nomes do blues de raiz às novas gerações. Nada mal para quem começou a tocar guitarra aos sete anos e, aos 14, fez o show de abertura para ninguém menos que B.B. King. Joe Bonamassa deixou de ser uma promessa há muito tempo. Aos 35 anos, vem ao Brasil pela primeira vez esta semana, para shows no Rio e em São Paulo, lançando o novíssimo álbum, “Driving Towards The Daylight”, ainda inédito no Brasil.
“Vamos fazer o mesmo show que temos feito nessa turnê, vai ter coisas antigas e novas no repertório”, revela o guitarrista, por telefone, direto do seu estúdio de ensaio. “Devemos tocar por cerca e duas horas e meia”, promete, para a alegria dos cada vez mais numerosos fãs do bom e velho classic rock. Com Bonamassa, vêm ao Brasil o baixista Carmine Rojas (David Bowie, Rod Stewart), o baterista Tal Bergman e o tecladista Rick Melick. Sobre o novo álbum, Bonamassa aponta um sotaque blues: “É um disco de blues e foi muito divertido fazê-lo. Era hora de fazer algo mais com a cara de blues”, diz o guitarrista, bem mais econômico nas palavras do que nas cordas de sua guitarra.
O disco tem a participação do guitarrista do Aerosmith, Brad Whitford, em nada menos que oito faixas. Quase sempre eclipsado por Joe Perry, fazendo a guitarra base do grupo de hard rock, Whitford até que se soltou. “Ele fez um grande trabalho no disco. Em princípio, ele se encarregaria da guitarra base, mas acabou fazendo uns solos também”, comenta Bonamassa. Também participa do CD o cantor australiano Jimmi Barnes, num hábito para Bonamassa, que sempre recebe convidados. No DVD gravado ao vivo no Royal Albert Hall, em Londres, de 2009, ela aparece tocando com Eric Clapton e Paul Jones. O guitarrista costuma pinçar músicas esquecidas pelo tempo para dar-lhes nova cara.
Com o modelo 'bouble neck', consagrado por Page
Com o modelo 'bouble neck', consagrado por Page
Em “Driving Towards The Daylight”, por exemplo, das 12 faixas só quatro são de sua autoria. “Sou mais intérprete”, admite o bluesman. “Acho que sou um compositor honesto quando faço as músicas, mas isso não é o que acontece todos os dias”. Perguntado sobre sua versão preferida, ele não pensa duas vezes e aponta “Sloe Gin”, famosa da voz de Tim Curry, que dá titulo ao CD de 2007. É de fato uma de suas performances que mais ganhou fama e que não deve faltar nos shows do Brasil.
Curiosamente, embora americano de Nova York, Bonamassa é fortemente influenciado pelos guitarristas britânicos. Além de Eric Clapton, referência óbvia para qualquer guitarrista, ele aponta – pela ordem da memória – Paul Kossof, do Free, Jeff Beck e Rory Gallagher como seus mestres. Nesse resgate do classic rock, Bonamassa tem um parceiro em estúdio, o produtor Kevin Shirley, que assina os últimos oitos discos do guitarrista. “No fim das contas ele é o responsável por muito do sucesso que eu conquistei, e é o quarto integrante do Black Country Communion“, avalia o guitarrista.
O Black Country Communion é um supergrupo que Bonamassa tem com o baixista/vocalista Glenn Hughes (Deep PurpleBlack Sabbath), o baterista Jason Bonham (o filho do homem, Led Zeppelin) e o tecladista Derek Sherinian (ex-Dream Theater). Fundado em 2010, o BCC já tem dois álbuns e um DVD lançados, e é outra fonte de revitalização do classic rock. “Em duas ou três semanas vamos começar a gravar o novo disco, acho que sai ainda este ano. É como a coisa funciona nessa banda”, revela o guitarrista, mostrando que o seu ritmo produtivo é mesmo intenso. E isso sem contar o programa semanal de rádio que Bonamassa comanda numa rádio britânica, no qual desencrava artistas perdidos do blues rock.
Se guitarristas têm lá suas manias, a de Joe Bonamassa é colecionar… guitarras. “Devo ter, talvez, umas 550, mas acho que só toquei em umas 300, ao menos uma vez”, diz o músico, com uma eloquente naturalidade. Para os shows no Brasil, no entanto, ele promete carregar “só” quatro. Uma delas bem que poderia ser o modelo “double neck”, eternizada por Jimmy Page e que aparece na foto lá em cima.
Joe Bonamassa tem shows marcados no Rio de Janeiro, na próxima quinta, dia 31, no Vivo Rio, e em São Paulo, no sábado, dia 2 de junho, no HSBC Brasil; veja os detalhes aqui.
O guitarrista também faz parte do Black Country Communion e produz e apresenta programa de rádio
O guitarrista também faz parte do Black Country Communion e produz e apresenta programa de rádio


  • O ÁGUA SUJA continua a temporada do projeto BLUES FREE SALVADOR no DUBLINERS IRISH PUB, trazendo muitos convidados e promovendo a tradicional JAM SESSION das noites de quarta no Rio Vermelho.

    O grupo prepara um repertório pra lá de dançante, com os principais clássicos do Blues, R&B, Soul Music e Classic Rock. Formado pelo baixista Jerry Marlon, pelo guitarrista Oyama Bittencourt, pelo tecladista Zito Moura e pelo baterista Brian Knave, que conduzem a tradicional “Jam session” marca registrada das apresentações da banda, sobretudo com diversos e especialíssimos convidados. O evento tem sido a melhor opção para as noites da quarta da cidade.

    O The Dubliners Irish Pub, casa que abriga o projeto é uma franquia Irlandesa, já tem história como point de rock e blues em Salvador...inspirada nos moldes dos típicos Pubs Irlandeses, oferece estrutura para shows, com espaço para “snooker” e um cardápio variado de cervejas nacionais, importadas e bourbons.


    PROMOÇÃO ESPECIAL DA NOITE:

    DUAS BAVARIAS PREMUIM 600ML
    POR R$ 10,00

    Ps.: Já aceitamos Cartões de Débito / Casa Climatizada.

    O que: BLUES FREE SALVADOR
    com banda ÁGUA SUJA,
    CONVIDADA ESPECIAL - CLAUDIA GARCIA
    Local: THE DUBLINERS IRIS PUB
    Praia da Paciência, 257 (Ao Lado da Farmácia Santana)
    Quanto: GRÁTIS
    Quando: TODAS AS QUARTAS - A PARTIR DAS 22H
    http://www.youtube.com/watch?v=nJ7moCVk7jA


    Confirme sua presença AQUI

Rua da Paciência, 257, Rio VermelhoSalvador, Brazil